Amado(a) Irmão(a),

Vamos, neste mês, estudar a Palavra para sabermos como fazer para lidar com os problemas quando eles veem, porque parece que tem alguns que são mais difíceis, principalmente, quando o diabo fica trazendo problemas antigos de volta.

Vamos começar por II Cor.10:3-5 – “Porque, embora andando na carne, não militamos segundo a carne. Porque as armas da nossa milícia não são carnais, e sim poderosas em Deus, para destruir fortalezas, anulando nós sofismas e toda altivez que se levante contra o conhecimento de Deus, e levando cativo todo pensamento à obediência de Cristo.” Deus está dizendo aqui que vamos ter guerra, mas não no âmbito natural, embora pareça que seja no natural, elas são espirituais, portanto, as armas que estão disponíveis para nós, são armas espirituais. O problema não é uma pessoa ou qualquer outra situação, pois tudo vem de dentro de nós e Ele chama isso de fortaleza dizendo que essas fortalezas são nossos pensamentos, isto é, o padrão dos pensamentos.

Então para lidar com isso, temos que expulsar os pensamentos e trazê-los cativos. O propósito dos pensamentos é exaltar a si mesmo indo contra o conhecimento de Deus. Essas fortalezas têm como objetivo tirar fora tudo o que é de Deus e os pensamentos sejam a prioridade de sua vida.

Todas as vezes que dizemos que não sabemos o que fazer, estamos exaltando nossos pensamentos acima do conhecimento de Deus. Veja como são os pensamentos, eu não sei o que fazer e por que Deus não faz alguma coisa para me ajudar? Esses são os pensamentos errados, os sofismas e altivez mental que estão se exaltando acima do conhecimento de Deus.

Vamos ver como são esses pensamento, a altivez mental e os sofismas observando Marcos 4:35-41 – “Naquele dia, sendo já tarde, disse-lhes Jesus: Passemos para a outra margem. E eles, despedindo a multidão, o levaram assim como estava, no barco. Ora, levantou-se grande temporal de vento, e as ondas se arremessavam contra o barco, de modo que o mesmo já estava a encher-se de água. E Jesus estava na popa, dormindo sobre o travesseiro; eles o despertaram e lhe disseram: Mestre, não te importa que pereçamos? E ele, despertando, repreendeu o vento e disse ao mar: Acalma-te, emudece! O vento se aquietou, e fez-se grande bonança. Então, lhes disse: Por que sois assim tímidos?! Como é que não tendes fé? E eles, possuídos de grande temor, diziam uns aos outros: Quem é este que até o vento e o mar lhe obedecem?” Veja o desespero dos discípulos acordando o Mestre pensando que Ele tinha que lhes ajudar a tirar a água do barco que estava ficando cheio e em perigo de afundar. Então, Jesus levanta e repreende o vento e manda o mar se acalmar, em vez, de ir tirar água do barco, eles não esperavam que Jesus fosse fazer isso.

Veja como Jesus usou a arma espiritual. Havia uma circunstância externa que era o sofisma que vinham dos pensamentos errados que se exaltaram acima do conhecimento de Cristo. Veja as atitudes deles, puseram a atenção na circunstância externa e a imaginação se levantou, no caso era, o barco vai afundar.

Os discípulos pensaram que iam morrer, mas Jesus estava com eles. Não podemos nos esquecer que Ele disse: “jamais lhes deixarei, nem lhes abandonarei”. Infelizmente, nós também, fazemos o mesmo, muitas vezes, usando da imaginação de como vamos resolver os problemas. Veja que os discípulos acharam que tirando água do barco iria resolver o problema, mas o pensamento de Jesus foi diferente.

O problema estava dentro deles, pois no mesmo dia Jesus tinha acabado de ensinar que o semeador saiu para semear, etc..,  e que precisavam ter cuidado de como se ouve a Palavra, porque o diabo vem imediatamente roubá-la. E, foi isso mesmo que o diabo fez, roubou toda Palavra que Jesus semeou com aquele ensino todo.

Acontece que se fala mais sobre os problemas do que sobre Jesus, esse é um costume muito comum que observamos entre os cristãos.

Observe que Jesus estava no barco juntos com os discípulos e o problema estava lá, mas ele não se preocupou e por isso dormiu. Como é diferente ter confiança em Deus e estar cheio de medo e preocupação.

Vamos lembrar daquela passagem que Jesus estava no alto do monte, à noite, quando outra tempestade veio e os discípulos estavam no mar e ele desce de lá e anda sobre as águas para socorrê-los, e o problema foi resolvido.

Vamos, agora, ver uma “tempestade” na vida de Jesus – “João 8:59 – “…Então, pegaram em pedras para atirarem nele; mas Jesus se ocultou e saiu do templo.” Jesus não tentou se esconder, ou saiu correndo, ou desapareceu e apareceu em outro lugar, não, Jesus passou no meio deles.

Veja João 10:31,39 – “Novamente, pegaram os judeus em pedras para lhe atirar… Nesse ponto, procuravam, outra vez, prendê-lo; mas ele se livrou das suas mãos.” Mais uma vez, Jesus escapou deles.

Veja agora, Lucas 4:28-30 – “Todos na sinagoga, ouvindo essas coisas, se encheram de ira. E, levantando-se, expulsaram-no da cidade e o levaram até ao cimo do monte sobre o qual estava edificada, para , de lá, o precipitarem abaixo. Jesus, porém, passando por entre eles, retirou-se.”  Isso é um milagre, e Ele lidou com a morte mais de uma vez, e se livrou.

Vamos observar a vida do apóstolo Paulo em II Cor.11:23-30 – “São ministros de Cristo? (Falo como se fora de mim.) Eu ainda mais: em trabalhos, muito mais; muito mais em prisões; em açoites, sem medidas; em perigos de morte, muitas vezes. Cinco vezes recebi dos judeus uma quarentena de açoites menos um; fui três vezes fustigado com varas; uma vez, apedrejado; em naufrágio, três vezes; uma noite e um dia passei na voragem do mar; em jornadas, muitas vezes; em perigos de rios, em perigos de salteadores, em perigos entre patrícios, em perigos entre gentios, em perigos na cidade, em perigos no deserto, em perigos no mar, em perigos entre falsos irmãos; em trabalhos e fadigas, em vigílias, muitas vezes; em fome e sede, em jejuns, muitas vezes, em frio e nudez. Além das coisas exteriores, há o que pesa sobre mim diariamente, a preocupação com todas as igrejas. Quem enfraquece, que também eu não enfraqueça? Quem se escandaliza, que eu não me inflame? Se tenho de gloriar-me, gloriar-me-ei no que diz respeito à minha fraqueza.” O apóstolo Paulo descreve aqui tudo o que passou, embora estivesse fazendo a vontade de Deus, ele lidou com a morte como Jesus; então, o que é que não tem solução em nossas vidas?

Pois bem, o que Deus quer que façamos é que nos entreguemos diante do Trono da Graça para termos comunhão com Ele, principalmente, quando estivermos passando por algum problema.

Veja as instruções de Jesus sobre isso em João 14:1 – “Não se turbe o vosso coração, credes em Deus, crede também em mim.” Ele está dizendo que vamos passar por situações problemáticas, mas mesmo assim não devemos ter preocupação em nosso coração para que os problemas não sejam exaltados acima do conhecimento de Deus. Continuando o assunto veja o que Jesus fala a seguir no v.27 – “Deixo-vos a paz, a minha paz vos dou; não vo-la dou como a dá o mundo. Não se turbe o vosso coração, nem se atemorize”, o que Jesus quer dizer com a palavra atemorize? Ele se refere para quando dizemos: “não sei o que fazer com esses problemas”. Já sabemos que os problemas que vêm para nossas vidas, não vêm para ensinar fé; e só ficamos firmes e corajosos quando passamos tempo na Presença de Deus. Os problemas não fazem você confiar em Deus, mas trazem a confiança que você tem armazenada no seu íntimo.

Então, quando os problemas vierem, a resposta não precisa vir das suas emoções, mas você tem que ter uma opção de escolha, que pode ser vinda da Palavra de Deus ou seguir seus pensamentos.

Nossa oração diária, na Presença de Deus, nos ajudará a sabermos lidar com os problemas, porque Deus nos dará a sabedoria Dele.

Vale muito a pena ter um relacionamento verdadeiro com Deus para termos a direção Dele nas horas difíceis da vida. Portanto, encorajo você a orar em línguas todos os dias e adorar o Senhor.

Graça e Paz!

Ana Maria.

Print Friendly, PDF & Email