Amado(a) Irmão(a),

Na carta deste mês, quero examinar as Escrituras com você para aprendermos, juntos, como proceder quando recebermos uma notícia ruim.

Diariamente, precisamos lidar com situações adversas, que nos preocupam e tentam nos tirar a paz. Na última carta, aprendemos a lidar com isso, ordenando à tempestade que cesse. Da mesma forma, é importante que tenhamos consciência de que, mesmo nós, cristãos, recebemos más notícias, às vezes. Por exemplo, o médico diz: essa doença está em estágio avançado. Ou o telefone toca nos avisando que alguém morreu. Ou o marido ou a esposa abandonam o lar.

Como você reagiria a essas situações? Por mais que tentemos fugir, uma hora ou outra, alguma notícia ruim acaba chegando até nós.

Vamos, então, buscar orientação na Bíblia e ver o que a Palavra de Deus diz sobre o assunto em pauta. Em II Reis, 18:1, podemos ler:

[…] No terceiro ano de Oséias, filho de Elá, rei de Israel, começou a reinar Ezequias, filho de Acaz, rei de Judá.

Havia uma divisão entre os judeus de Israel e os de Judá e por isso Ezequias foi aclamado rei de Judá, quando tinha vinte e cinco anos de idade. Esse jovem impressionou muito a Deus com sua conduta, como podemos ler no versículo 6:

Porque se apegou ao SENHOR, não deixou de segui-Lo e guardou os mandamentos que o SENHOR ordenara a Moisés.

Entretanto, certa vez, sentado em seu trono, quando as circunstâncias lhe sobrevieram, ficou imaginando como resolver alguns problemas com outros reinos. Ezequias achou que, enviando dinheiro para outro rei, tudo ficaria resolvido. Veja, ainda em II Reis, o que diz os versículos 13 a 16 sobre isso:

No ano décimo quarto do rei Ezequias, subiu Senaqueribe, rei da Assíria, contra todas as cidades fortificadas de Judá e as tomou. Então, Ezequias, rei de Judá, enviou mensageiros ao rei da Assíria, a Laquis, dizendo: Errei; retira-te de mim; tudo o que me impuseres suportarei. Então, o rei da Assíria impôs a Ezequias, rei de Judá, trezentos talentos de prata e trinta talentos de ouro. Deu-lhe Ezequias toda a prata que se achou na Casa do Senhor e nos tesouros da casa do rei. Foi quando Ezequias arrancou das portas do templo do Senhor e das ombreiras o ouro de que ele, rei de Judá, as cobrira, e o deu ao rei da Assíria. Contudo, o rei da Assíria enviou, de Laquis, a Tartã, a Rabe-Saris e a Rabsaque, com um grande exército, ao rei Ezequias, a Jerusalém; subiram e vieram a Jerusalém. Tendo eles subido e chegado, pararam na extremidade do aqueduto do açude superior, junto ao caminho do campo do Lavandeiro.

Ou seja, Ezequias quis resolver com ouro e prata os seus problemas com Senaqueribe. Entretanto, Senaqueribe mudou de ideia, não quis apenas ouro e prata, mas sim, tudo.

O que aconteceu nos campos de Judá foi: Ezequiaz confiava no Senhor, mas cedeu ao que Senaqueribe queria para ter “paz” e viver mais. Pois é, Ezequias teve de lidar com isso.

Vamos mais adiante, agora, em II Reis 19:8-11:

Voltou, pois, Rabsaque e encontrou o rei da Assíria pelejando contra Libna; porque ouvira que o rei já se havia retirado de Laquis. O rei ouviu que a respeito de Tiraca, rei da Etiópia, se dizia: Eis que saiu para guerrear contra ti. Assim tornou a enviar mensageiros a Ezequias, dizendo: Assim falareis a Ezequias, rei de Judá: Não te engane o teu Deus, em quem confias, dizendo: Jerusalém não será entregue nas mãos do rei da Assíria.  Já tens ouvido o que fizeram os reis da Assíria a todas as terras, como as destruíram totalmente; e crês tu que te livrarias?

É bom termos consciência de que com o diabo não se consegue negociar, jamais. Você não pode falar com Satanás, por exemplo: “Ok, combinado. Vou parar com a adoração e a oração em línguas, mas você, diabo, vai embora e não volta mais”. Nessa situação, o que vai acontecer é: você vai parar de orar, o diabo vai fingir que vai embora, para voltar a lhe atacar em seguida. E é exatamente isso que estamos vendo na passagem anterior.

Além do mais, em relação às dificuldades que passamos, as pessoas vão dizer que não podem nos ajudar e que o nosso Deus não vai fazer nada por nós. E não é isso mesmo que acontece?  Por fim, ficamos desesperados e dizemos: “Onde está Você, ó Deus, que não me ouve?”.

Voltemos ao contexto do rei Ezequias: os reis estavam mortos porque Senaqueribe tinha sucesso em conquistar os reinos. Então, Ele mandou uma carta a Ezequias, que, como vimos, já tinha dado ouro e prata da Casa de Deus para tentar comprar a paz com ele. Embora Ezequias houvesse cumprido sua parte na promessa, Senaqueribe estava vindo contra ele. Diante dessa situação, Ezequias concluiu que seu plano não tinha funcionado.

Eis que, ao se ver desesperado, Ezequias finalmente resolve subir à Casa do Senhor e apresentar a carta do rei no Altar de Deus.

Atente, agora, para o desenrolar dos fatos a partir do momento em que Ezequias decidiu buscar a Deus. Vamos aos versículos 14 a 19 de II Reis:

Tendo Ezequias recebido a carta das mãos dos mensageiros, leu-a; então, subiu a Casa do Senhor, estendeu-a perante o Senhor e orou perante o Senhor, dizendo: Ó Senhor, Deus de Israel, que estás entronizado acima dos querubins, tu somente és o Deus de Todos os reinos da terra; tu fizeste os céus e a terra. Inclina, ó Senhor, os olhos e vê; ouve todas as palavras de Senaqueribe, as quais ele enviou para afrontar o Deus vivo. Verdade é, Senhor, que os reis da Assíria assolaram todas as nações e suas terras e lançaram no fogo os deuses deles, porque deuses não eram, senão obra de mãos de homens, madeira e pedra; por isso, os destruíram.

Agora, pois, ó Senhor, nosso Deus, livra-nos das suas mãos, para que todos os reinos da terra saibam que só tu és o Senhor Deus. Então, naquela noite, quando Ezequias buscou Deus, cento e oitenta e cinco mil pessoas morreram.

Vamos aprender com essa leitura: quando notícias ruins vierem, busquemos o Senhor e apresentemos a situação. Ele virá em nosso auxílio como fez com Ezequias. Em II Reis 19:35-37, vejamos o que aconteceu com o líder do exército inimigo por adorar a falsos deuses:

Então, naquela mesma noite, saiu o Anjo do Senhor e feriu, no arraial dos assírios, cento e oitenta e cinco mil; e, quando se levantaram os restantes pela manhã, eis que todos esses eram cadáveres. Retirou-se, pois, Senaqueribe, rei da Assíria, e se foi; voltou e ficou em Nínive. Sucedeu que, estando ele a adorar na casa de Nisroque, seu deus, Adrameleque e Sarezer, seus filhos, o feriram a espada; e fugiram para a terra de Ararate; e Esar-Hadom, seu filho, reinou em seu lugar.

Amados, só nos livraremos do inimigo se fizermos como Ezequias quando recebeu as notícias ruins: devemos apresentá-las no Altar do Senhor, pois era exatamente isso que Deus estava esperando que ele fizesse.

Ezequias adorou a Deus e ficou livre do mal. Assim acontece também em nossas vidas. Se não apresentarmos as notícias ruins a Deus quando elas vêm para nossas vidas, ficaremos numa situação sem solução.

Passemos para o Novo Testamento, em Mateus 14:1-13:

Por aquele tempo, ouviu o tetrarca Herodes a fama de Jesus e disse aos que o serviam: Este é João Batista; ele ressuscitou dos mortos, e, por isso, nele operam forças miraculosas.  Porque Herodes, havendo prendido e atacado a João, o metera no cárcere, por causa de Herodias, mulher de Filipe, seu irmão; pois João lhe dizia: Não te é lícito possuí-la. E querendo matá-lo, temia o povo, porque o tinham como profeta […].  Entristeceu-se o rei, mas por causa do juramento e dos que estavam com ele à mesa, determinou que lha dessem; e deu ordens e decapitou a João no cárcere… Então, vieram os seus discípulos, levaram o corpo e o sepultaram; depois, foram e o anunciaram a Jesus. Jesus, ouvindo isto, retirou-se dali num barco, para um lugar deserto, à parte […].

João e Jesus eram primos porque suas mães eram primas. O pai de João Batista era sacerdote e costumava ir com a família para Jerusalém para as festas religiosas. As famílias se conheciam muito bem. Ambos os bebês nasceram de um milagre, pela profecia de Deus. Assim, Jesus e João se conheciam e sabiam da história do nascimento deles.

Na passagem acima, vimos que João falou com Herodes sobre sua conduta, mas, por fim, Herodes mandou decapitá-lo. Quando Jesus ficou sabendo do fato, ele se retirou, com o coração ferido, afinal seu primo tinha sido decapitado.

Então, Jesus foi até o Pai para se fortalecer e receber a paz de Deus, pois, naquele momento Jesus estava lidando com as emoções diante de uma situação horrível. Mas em meio a essa tristeza, veja como teve compaixão de todas aquelas pessoas que vieram até ele para receber o que precisavam (Mateus 14:13-14):

[…] sabendo-o as multidões, vieram das cidades seguindo-o por terra. Desembarcando, viu Jesus uma grande multidão, compadeceu-se dela e curou os seus enfermos.

Jesus, mesmo ferido por péssimas notícias, conseguiu ver a necessidade das pessoas. Além de curá-las, ainda as alimentou, porque já era tarde. Só a comunhão com o Pai nos dá forças para servir a Deus e superar os ataques do inimigo.

E é aqui que vemos as diferenças de comportamento entre os cristãos. Muitos, quando recebem notícias ruins, sentem tamanha dor que a última coisa que têm é compaixão por qualquer pessoa. Outros ficam obcecados por respostas, quase indignados pela situação ruim ter ocorrido justamente com eles.

Acontece que não há quem seja o primeiro ou o último a receber notícias ruins e, mais ainda, não se deve esperar consolo das pessoas porque o tempo passa e todos se esquecem do que aconteceu com você.

A medida certa é levar as notícias ruins para o Altar do Senhor, em adoração. Só Deus é capaz de se mover em sua vida e em seu coração, e você ainda vai acabar tendo compaixão de quem está ao seu redor sofrendo, porque essa é a compaixão do Pai.

Corra para Ele sem questionamento nem acusação, sabendo que precisa da força dele. Isso é a força espiritual. Com ela, mesmo em sofrimento, você vai conseguir até mesmo ministrar para os outros, em Nome de Jesus.

Veja o que diz Salmos 71:1-6:

Em ti, Senhor, me refugio; não seja eu jamais envergonhado. Livra-me por tua justiça e resgata-me; inclina-me os ouvidos e salva-me. Sê tu para mim uma rocha habitável em que sempre me acolha; ordenaste que eu me salve, pois tu és a minha rocha e a minha fortaleza. Livra-me, Deus meu, das mãos do ímpio, das garras do homem injusto e cruel. Pois tu és a minha esperança, Senhor Deus, a minha confiança desde a minha mocidade. Em ti me tenho apoiado desde o meu nascimento; do ventre materno tu me tiraste, tu és o motivo para os meus louvores constantemente. Quanto a mim, esperarei sempre e te louvarei mais e mais. A minha boca relatará a tua justiça e de contínuo os feitos da tua salvação, ainda que eu não saiba o seu número. Tu me tens ensinado, ó Deus, desde a minha mocidade; e até agora tenho anunciado as tuas maravilhas.

Se você não fizer, nas horas difíceis, o que o salmista está dizendo, posso lhe assegurar que nenhuma linha de oração do mundo vai lhe ajudar. Todos os telefonemas que você receber, ou todas as flores enviadas, não vão te ajudar, pois somente o Senhor vai poder agir no seu coração. Até Jesus recebeu notícia ruim. Então, confie em Deus, pois as notícias ruins chegam para todos.

É muito importante ter confiança dentro de você. E isso se adquire por meio dos louvores constantes. Perceba que é vital observar o que você sente no íntimo, pois tendo a paz temos equilíbrio para sobreviver às dificuldades da vida. Muitos não entendem essa condição e até criticam, julgando que você não se importa com os acontecimentos. Mas não é bem assim: a diferença é a paz de Deus dentro de você. Ela domina a situação.

Lembre-se de Ezequias recebendo as notícias ruins. Em princípio, ficou apavorado e fez acordo de paz com o inimigo; aceitou todas as imposições, mas de nada adiantou. A solução só veio quando ele buscou a Deus, em adoração.

Dizemos que hoje nossos inimigos são nossas emoções. Se buscarmos a Deus quando recebermos as notícias ruins, com certeza, não serão as emoções que vencerão e, sim, a vida de Deus em nós. Ninguém fica alegre se recebe uma má notícia, isso é fato. Também não devemos viver esperando-a. Mas, às vezes, elas vêm.

Procure louvar a Deus, diariamente, antes que as notícias ruins venham. Seu coração precisa estar em paz e fortalecido. Assim como Jesus, conseguiremos vencer e, ainda, seremos movidos com a compaixão para ajudar os outros. Em vez de ficarmos chorando, desesperados e depressivos, vamos ter a força de Deus e a compaixão pelos que estão sofrendo; vamos ser o canal Dele para os outros. No natural é impossível ajudar alguém quando se está com o coração doendo muito, mas louvar a Deus muda a condição do nosso coração e transbordamos a paz.

Nunca se esqueça: não deixe de orar sempre em línguas, porque o Espírito Santo estará guardando o seu coração para o amanhã.

Graça e Paz,

         Ana Maria Dias

Print Friendly