Amado(a) Irmão(a),

A cada dia que passa mais me convenço da necessidade de estar firme na Palavra de Deus para me livrar dos enganos e ciladas que o diabo lança para me deixar de fora das bênçãos de Deus. Com o tempo, estando firmada na Rocha, tenho aprendido que guardar mágoa, ou seja, não perdoar, é como tomar uma dose de veneno todos os dias e ver a vida se acabar aqui nesta terra. Por isso, resolvi trazer este assunto para a carta deste mês, a fim de seguirmos os ensinos que o Senhor nos dá por meio de Sua Palavra.

Sei que falar de perdão envolve um grande desafio até mesmo para nós, cristãos, afinal, quantos de nós vivemos no padrão de amor que o mundo estabeleceu?

Vamos começar por João 13:34-35:

Novo mandamento vos dou: que vos ameis uns aos outros; assim como eu vos amei, que também vos ameis uns aos outros. Nisto conhecerão todos que sois meus discípulos: se tiverdes amor uns aos outros.

Jesus nos amou através da vida de Deus dentro Dele. Pense que, antes de Jesus, ninguém teve a Vida de Deus dentro de si. Dessa forma, as pessoas tentavam amar da melhor maneira possível. Aquele amor de Gênesis até o advento de Jesus é fácil de entender: por exemplo, é o amor de marido e mulher (as pessoas se casam porque se amam). Entretanto, o amor do qual Jesus fala é um novo mandamento: é a vida de Deus e o amor Dele dentro de nós. É Vida e Amor fluindo por meio de um vaso humano.

Veja o que está escrito em Mateus 5:38-48:

Ouvistes que foi dito: Olho por olho, dente por dente. Eu, porém, vos digo: não resistais ao perverso; mas, a qualquer que te ferir na face direita, volta-lhe também a outra; e, ao que quer demandar contigo e tirar-te a túnica, deixa-lhe também a capa. Se alguém te obrigar a andar uma milha, vai com ele duas. Dá a quem te pede e não voltes as costas ao que deseja que lhe emprestes. Ouvistes que foi dito: Amarás o teu próximo e odiarás o teu inimigo. Eu, porém, vos digo: amai os vossos inimigos e orai pelos que vos perseguem; para que vos torneis filhos do vosso Pai celeste, porque ele faz nascer o seu sol sobre maus e bons e vir chuvas sobre justos e injustos. Porque, se amardes os que vos amam, que recompensa tendes? Não fazem os publicanos também o mesmo? E, se saudardes somente os vossos irmãos, que fazeis de mais? Não fazem os gentios o mesmo? Portanto, sede vós perfeitos como perfeito é o vosso Pai celeste.

Jesus é enfático quando afirma que a ordem é amar. Ele não sugere amar e perdoar como opção, porque não dá para separar as duas coisas: elas fluem juntas. Você não pode considerar que ama corretamente, se não perdoa, mas, sim, você só verdadeiramente ama quando também perdoa. Por exemplo, em seu café da manhã, você pode escolher ou manteiga ou requeijão, entretanto, você não pode escolher ou amor ou perdão. Eles andam juntos.

Também não podemos andar no padrão de Deus num momento e no padrão do mundo em outro, embora muitos cristãos estejam vivendo no padrão de amor do mundo.

Vejamos como é o padrão de Deus, isto é, o amor divino, em I João 4:7-11:

Amados, amemo-nos uns aos outros, porque o amor procede de Deus. Aquele que não ama não conhece a Deus, pois Deus é amor. Nisto se manifestou o amor de Deus em nós: em haver Deus enviado o seu Filho unigênito ao mundo, para vivermos por meio dele. Nisto consiste o amor: não em que nós tenhamos amado a Deus, mas em que ele nos amou e enviou o seu Filho como propiciação pelos nossos pecados. Amados, se Deus de tal maneira nos amou, devemos nós também amar uns aos outros.

Esse amor de Deus é o que Ele demonstrou deixando Seu Filho vir ao mundo e morrer na Cruz por nossos pecados. Já o amor humano é quando você, por exemplo, ajuda um velhinho a atravessar a rua, ou ajuda um vizinho numa emergência. Você entende esse amor de dar seu próprio filho para morrer? Avalie como deve ser o amor de uns pelos os outros.

 

Vamos ver o que está escrito em dois versículos de Efésios. Primeiramente, Efésios 4:32:

Antes, sede uns para com os outros benignos, compassivos, perdoando-vos uns aos outros, como também Deus, em Cristo, vos perdoou.

Agora, veja o que diz Efésios 5:1-2:

Sede, pois, imitadores de Deus, como filhos amados; e andai em amor, como também Cristo nos amou e se entregou a si mesmo por nós, como oferta e sacrifício a Deus, em aroma suave.

Veja, em seu dia a dia, quantas vezes as pessoas defendem seus próprios direitos acusando as outras. E quantos cristãos também se veem nessa situação, esquecendo que Jesus morreu na cruz para resolver todas as coisas (agora não existe mais oferta para os pecados, porque o Sangue de Jesus é TUDO).

Dessa forma, temos que andar em amor com as pessoas. E se você tiver alguma queixa contra alguém, saiba que você tem que perdoar.  E esse perdão é para seus filhos, seus pais, seu cônjuge, seu pastor, seu vizinho, seu chefe do trabalho, enfim, você deve oferecer o perdão a todos. Se praticássemos o que a Palavra de Deus diz a esse respeito nunca haveria divórcio entre os cristãos.

Veja, agora, o que está escrito em Romanos 13:8-10:

A ninguém fiqueis devendo coisa alguma, exceto o amor com que vos ameis uns aos outros; pois quem ama o próximo tem cumprido a lei. Pois isto: Não adulterarás, não matarás, não furtarás, não cobiçarás, e, se há qualquer outro mandamento, tudo nesta palavra se resume: Amarás o teu próximo como a ti mesmo. O amor não pratica o mal contra o próximo; de sorte que o cumprimento da lei é o amor.

Lendo essa passagem anterior, observamos que não há meio termo, é tudo ou nada. Confesso que, em minha caminhada como crente e pastora, já tive centenas de oportunidades de praticar o oposto do que Deus cita nestas passagens, mas decidi optar pela Palavra de Deus, que não falha. Minha definição de perdão é escolher, permitir que a natureza de Deus viva através de mim.

O perdão não é baseado nas ações dos outros (por exemplo, você espera que as pessoas lhe peçam desculpas, mas veja que diante da grandeza do perdão divino, isso seria apenas uma delicadeza). Quem anda no amor de Deus não precisa receber desculpas, pois vai perdoar e amar de qualquer jeito. Com certeza, você já ouviu pessoas magoadas desejando que o outro “morresse” ou se desse mal na vida. Imagine em que situação miserável está esse coração. Deus nunca teria esses pensamentos.

Vamos ver agora outra passagem bíblica muito importante. Jesus nos dá a autoridade para perdoar os pecados e ofensas dos que nos prejudicam. Veja o que está escrito em João 20:19-23:

Ao cair da tarde daquele dia, o primeiro da semana, trancadas as portas da casa onde estavam os discípulos com medo dos judeus, veio Jesus, pôs-se no meio e disse-lhes: Paz seja convosco!  E, dizendo isto, lhes mostrou as mãos e o lado. Alegraram-se, portanto, os discípulos ao verem o Senhor. Disse-lhes, pois, Jesus outra vez: Paz seja convosco! Assim como o Pai me enviou, eu também vos envio. E, havendo dito isto, soprou sobre eles e disse-lhes: Recebei o Espírito Santo. Se de alguns perdoardes os pecados, lhes são perdoados; se lhos retiverdes, são retidos.

Você se lembra de que os fariseus disseram a Jesus que somente Deus pode perdoar o pecado de alguém? Mas Jesus está dizendo que podemos perdoar, remover, fazer sair, cancelar o pecado de alguém. E o que é esse pecado? É tudo o que for cometido contra nós, como roubar, adulterar, ferir com palavras. Nós temos a capacidade de perdoar e o pecado vai ser removido,  e não será registrado no Céu.

Jesus também diz que se você retiver o pecado, esse será retido. Então, observe que somos nós que retemos o pecado. Isso é grave, é exatamente o oposto do que Deus fez por nós. Conclusão: se não perdoarmos, nossa mente humana, que registra tudo, vai se lembrar do pecado de uma pessoa toda vez que a vir. Essa é a nossa memória: é assim que retemos o pecado, porque não perdoamos, e ignoramos que o Sangue de Jesus nos purificou.

Deus liberou tal poder para nós perdoarmos os pecados e ofensas dos outros. Não se esqueça de que esses pecados perdoados não serão registrados no Céu.

Veja que Jesus fez isso lá na Cruz, dizendo ao Pai: “Perdoa-os, porque não sabem o que fazem” (Lucas 23:34). E os pecados deles não foram registrados no Céu (mas perceba que isso não quer dizer que foram salvos, pois para isso é necessário aceitar Jesus como Senhor e Salvador de suas vidas).

Então, o poder do perdão liberta, mas a falta de perdão pode até matar. Temos a chave da adoração pessoal a Deus, que faz com que o amor ágape cresça em nosso coração. Temos a leitura da Palavra, a oração em línguas, que são chaves que nos fazem crescer espiritualmente para termos toda a condição de perdoar tudo o que for contra nós.

Perdoar deixa o coração leve, cheio de paz e de alegria! Recebemos isso pela Graça do Senhor!

Graça e Paz,

Ana Maria Dias

Print Friendly